Coronavírus: médica voluntária faz desabafo e revela ficar sem comer e beber em plantões

A pandemia mundial causada pelo novo coronavírus começa a ocasionar pequenos colapsos em alguns estados brasileiros. No Ceará, 1.747 casos foram registrados até a noite deste domingo, 12 de abril. Recentemente, duas mortes pela Covid-19 foram confirmadas no estado.

A médica Mariana Chaves, com 12 anos de experiência em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), decidiu trabalhar de graça para atender pessoas que contraíram o coronavírus neste momento complicado para a saúde pública e privada.

Mariana é do Ceará e se alterna em plantões de 6 e 12 horas. Os mais longos acontecem durante a noite. A endocrinologista conta que chega a atender 10 pacientes por dia e, mesmo com turnos cansativas, atender os que mais precisam “supera tudo“

Mariana tirou uma foto em que mostra seu rosto com marcas profundas dos EPIs (‘Equipamentos de Proteção Individual). A médica conta que os equipamentos são bem presos e que contém bases de metais, o que causam as marcas.

135141202004135e94989ddc4e4“A máscara tem que ser bem vedada, e como tem uma estrutura de metal, acaba marcando o rosto. O face shield, que é maior, dá muita dor de cabeça“, disse a médica.

Durante os plantões, Mariana disse que ela e seus colegas não podem comer, ir ao banheiro e nem ao menos beber água. As pausas emergenciais só ocorrem caso aconteça algum acidente que rasgue a roupa, precisando trocá-la imediatamente.

Nos plantões noturnos, os médicos tem uma pequena pausa e podem tirar a roupa para descansarem.

Todos os profissionais da saúde estão sendo extremamente importantes neste momento. Na maioria dos casos, os mesmos se colocam em risco para salvarem outras vidas.