Como as bactérias do intestino influenciam nossa mente e têm relação com a ansiedade e depressão

Todo mundo quer um cérebro jovem e saudável, não é verdade? Mas nem sempre fazemos o que é preciso para garantir o bem-estar da nossa mente.

Acontece que precisamos ser cuidadosos com a alimentação, os exercícios físicos e a qualidade do nosso sono. Para isso, é preciso disciplina e persistência.

Agora, quem imaginaria que cuidar da saúde intestinal favorece nosso comportamento e saúde mental? Vamos explicar melhor: dentro do nosso sistema digestivo está o intestino, ou o “segundo cérebro”, que contém bactérias que influenciam a nossa estrutura cerebral.

Sendo assim, um desequilíbrio dessas bactérias no intestino pode afetar o humor e até causar doenças no cérebro. O Your Microbes and Mental Health, um site que enfatiza a inovação digital na aprendizagem científica, mostra como o cérebro e o sistema digestivo estão intrinsecamente ligados.

O intestino é capaz de se comunicar com o cérebro através do nervo vago – um nervo craniano que se estende do tronco cerebral até o abdome através do coração, esôfago e pulmão – conhecido como eixo intestino-cérebro.

Para você ter ideia, 90% das fibras no vago transportam informações do intestino para o cérebro. Esta comunicação acontece através de moléculas que são produzidas pelas bactérias do intestino e entram na corrente sanguínea.

Alguns experimentos mostraram que essas moléculas são fortes o suficiente para mudar o comportamento dos ratos. O sangue libera compostos neuroativos e hormônios que entram na corrente sanguínea e vão para o cérebro. Quanto ao corpo humano, ele tem cerca de quatro quilos de bactérias intestinais . Quando o número dessas bactérias se desequilibra, isso pode levar a sintomas indesejáveis, tais como:

– Gases, – Inchaço, – Diarreia, – Dor nas articulações, – Ganho ou perda de peso, – Dores na cabeça, – Erupções cutâneas, – Problema na memória, – Fadiga, – Insônia

Mas o que será que causa o desequilíbrio das bactérias intestinais? Basicamente um tipo de desequilíbrio conhecido por “disbiose”. Ele tem sido associado a vários distúrbios psiquiátricos e neurológicos, como autismo, ansiedade, depressão e estresse.

A disbiose pode até desempenhar um papel nas doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer e de Parkinson. Isso é uma evidência de que o desconforto intestinal de uma pessoa pode ser a causa ou o produto da ansiedade, do estresse ou da depressão.

Além disso, há pesquisas que sugerem que manipular as bactérias do intestino pode, de alguma forma, produzir comportamentos relacionados à ansiedade e à depressão.

Um estudo de 2013 descobriu que substituir as bactérias intestinais de camundongos ansiosos por bactérias de camundongos tranquilos levou os camundongos a se tornarem menos ansiosos e mais sociáveis. Isso não é interessante?

Também funcionava ao contrário – quando os ratos ousados ficavam tímidos, eles pegavam as bactérias dos ratos ansiosos e colocavam nos ratos tímidos. Existem várias implicações dessa conexão cérebro-intestino, como a possibilidade de prevenção e tratamento de distúrbios neurológicos e neuropsiquiátricos por meio da saúde intestinal.

Isso nos mostra que ter um intestino saudável é tão importante quanto ter a mente saudável. A melhora da saúde do intestino – com a normalização de sua flora bacteriana – é feita com dieta natural, uso de probióticos de boa qualidade e atividade física.

Este blog de notícias sobre tratamentos naturais não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Fonte: Cura Pela Natureza