Mãe alerta sobre perigo de fruta comum após perder seu filho de 2 anos

Todos os anos, muitas crianças morrem por causas variadas, causas que até mesmo as mães os expõem, muitas vezes não fazem de proposito – pode ser por falta de conhecimento mesmo. Essa criança morreu por algo que muitas mães não imaginam ser perigoso, uma fruta. Por isso, sua mãe mesmo devastada e triste quis fazer o alerta, para que outras mãe não sofram como ela sofre hoje.

Emma Carver e Mohammad Umar, pais de Ayyan Umar, relatam que momentos antes da morte do menino, eles tinham ido ao supermercado fazer compras. Ayyan estava no carrinho vendo sua mãe fazer as compras, a mãe estava escolhendo um queijo para levar. Um minuto ela estava escolhendo o queijo o que é comum – no outro estava tentando salvar a vida de seu filho que emitia um som estranho. Logo sua mãe acudiu ele, o menino estava se afogando.

O menino havia pegado duas uvas que estavam no carrinho de compras da mãe e colocado inteira na boca. Ele tentou engolir elas, mas ao invés delas irem para o estômago, ficaram alojadas em suas vias respiratórias – a primeira reação da mãe foi bater nas costas do menino a fim de que os alimentos que ele estava comendo saíssem.

O socorro foi chamado por um homem que também estava no mercado. Os paramédicos levaram de cinco a sete minutos para chegar e conseguiram tirar uma das uvas, porém a outra somente foi tirada no hospital, quando já era tarde – ele já não tinha mais sinais de vida.

Os pais de Ayyan, não seguraram as lágrimas em uma entrevista, era sofrimento demais. O pai Mohammad Umar, disse, “Eu sinto que isso é um sonho ruim, talvez alguém me desperte… Eu o vejo em todos os lugares”. Hoje, os pais fazem o alerta para que ninguém passe mais por isso, para os pais não deixarem os filhos fora dos olhos por nenhum minuto e também falaram da importância de fazer curso de primeiros socorros.

Uma uva inteira e perigosa para crianças de até 4 anos, elas devem ser cortadas verticalmente antes de serem oferecidas para as crianças, diz a Academia Americana de Pediatria.